Resumo de Debate: William Lane Craig x Alex Rosenberg: A Fé em Deus é Razoável?

Meus breves comentários Segue o resumo do debate ocorrido ontem (01/02/2013).

O Dr Rosemberg pode ser facilmente encaixado no grupo dos piores debatedores que o Dr Craig já teve. Despreparado e arrogante como estes calouros de programas de música que acham que estão arrasando enquanto o juri está rindo a beça.

Numa outra postagem eu tecerei mais comentários.

2013_symposium_brochureFonte:  Wintery Knight
Tradução: Mike Moore

Abaixo você encontrará o meu resumo do debate Craig-Rosenberg, que ocorreu em 1 de fevereiro de 2013 na Universidade de Purdue. O debate foi transmitido ao vivo pela Internet .

Brian Auten postou o áudio em MP3 do debate em Apologetics 315. Todo mundo marque o web site para um acesso mais rápido ao  áudio do debate. JW Wartick tem uma revisão do debate aqui. Tom Gilson tem uma revisão do debate aqui.

Os debatedores

William Lane Craig :

William Lane Craig é professor pesquisador de filosofia na Talbot School of Theology em La Mirada, na Califórnia.

Dr. Craig prosseguiu os seus estudos de graduação na Wheaton College (BA 1971) e pós-graduação na Trinity Evangelical Divinity School (MA 1974; MA 1975), da Universidade de Birmingham (Inglaterra) (Ph.D. 1977), e da Universidade de Munique (Alemanha) (D.Theol. 1984). De 1980-1986, ele ensinou Filosofia da Religião na Trindade … Em 1987, mudou-se para Bruxelas, na Bélgica, onde o Dr. Craig realizou pesquisa da Universidade de Louvain até assumir a sua posição na Talbot em 1994.

Ele é autor ou editor de mais de trinta livros, incluindo The Kalam Cosmological Argument; Assessing the New Testament Evidence for the Historicity of the Resurrection of Jesus; Divine Foreknowledge and Human Freedom; Theism, Atheism and Big Bang Cosmology; and God, Time and Eternity, bem como mais de uma centena de artigos em revistas profissionais de filosofia e teologia, incluindo The Journal of Philosophy, New Testament Studies, Journal for the Study of the New Testament, American Philosophical Quarterly, Philosophical Studies, Philosophy, e British Journal for Philosophy of Science.

O curriculum do Dr Craig está aqui .

Lista das publicações do Dr Craig está aqui .

Alex Rosenberg :

Entrei para a faculdade Duke, em 2000. Antigamente eu era professor de filosofia na Universidade Dalhouse no Canadá, Syracuse University, Universidade da Califórnia, Riverside, e na Universidade da Geórgia, em os EUA. Também fui professor visitante e / ou companheiro do Centro de Filosofia da Ciência da Universidade de Minnesota, bem como da Universidade da Califórnia, Santa Cruz, Universidade de Oxford (Balliol College) e da Escola de Pesquisa de Ciências Sociais da Universidade Nacional Australiana. Aqui no Duke, eu sou co-diretor do Centro de Filosofia da Biologia, juntamente com Robert Brandon, McShea Dan e Nijhout Fred.

Além disso, eu sou o diretor do Programa de Bolsas de AB Duke e sua associada Duque de verão no Programa Oxford  no New College. Junto com a professora Martha Reeves do  do Departamento de Sociologia eu co-dirijo Duque o programa de verão sobre a Globalização, em Genebra. Confira os links abaixo para mais informações sobre estes programas.

Meus interesses se concentraram em problemas na metafísica, principalmente em torno da causalidade, a filosofia das ciências sociais, em especial da economia e, acima de tudo, a filosofia da biologia, em particular a relação entre a biologia molecular, funcional e evolutiva.

Abaixo está o resumo de hoje à noite (01 de fevereiro de 2013).

Se você gosta do resumo abaixo, por favor, me amigo no Facebook e / ou siga-me no Twitter .

Resumo do debate

Discurso de abertura o Dr. Craig:

O tema: Quais são os argumentos que fazem a crença em Deus razoável ou não?
Primeiro discurso: argumentos para a razoabilidade da crença em Deus
Segundo discurso: responder aos argumentos contra a razoabilidade da crença em Deus

Oito argumentos:

  1. Argumento da contingência: Deus – um ser transcendente, pessoal – é a explicação do porquê de um universo contingente existe.
  2. Argumento cosmológico: Deus é a causa do início do universo, que é atestada pela física e cosmologia.
  3. Aplicabilidade da matemática à natureza: Deus é a melhor explicação para a aplicabilidade da matemática à natureza.
  4. Argumento da sintonia fina : Deus é a melhor explicação para o ajuste fino do universo para permitir a vida.
  5. Intencionalidade dos estados de consciência: Deus é a melhor explicação para a intencionalidade dos nossos estados mentais.
  6. O argumento moral: Deus é a melhor explicação para a existência de valores e deveres morais objetivos.
  7. A ressurreição de Jesus: Deus é a melhor explicação para o núcleo de fatos históricos aceitos pela maioria dos historiadores da antiguidade – vindos de todo o espectro ideológico.
  8. Experiência religiosa: Deus é a melhor explicação para a nossa experiência imediata e conhecimento de sua existência.

Dr. Rosenberg fala de abertura

Primeiro argumento: A falácia ad hominem

  • Eu não sei se devo rir ou chorar
  • Dr. Craig disse tudo isso antes em outros debates
  • Você não precisava sair nesta noite fria
  • Argumentos de Craig já foram todos refutados
  • Dr. Craig apenas não escuta
  • Dr. Craig não está interessado em chegar à verdade
  • Dr. Craig está apenas interessado em marcar pontos no debate
  • O sistema adversarial é a abordagem errada para decidir verdade
  • Dr. Craig está muito confiante sobre sua visão da física

Segundo argumento: A falácia de argumentar de autoridade

  • 95% dos membros do NAS são ateus
  • Portanto Dr. Craig não pode usar ciência

Terceiro argumento: Efeitos não necessitam de causas

  • Eu vou fingir que Craig disse que “todo efeito exige uma causa”
  • A mecânica quântica mostra que alguns efeitos ocorrem sem causas
  • Uma partícula de urânio (que não é nada, é alguma coisa) decai sem causa
  • Este efeito sem causa é o mesmo que o universo vir a ser a partir do nada sem causa
  • Portanto, o princípio da razão suficiente é falsa

O quarto argumento: vida baseada em silício e o multiverso

  • Se essas constantes tivessem sido diferentes, talvez teríamos outras formas de vida inteligente, como base no silício
  • Vida baseada em carbono não é o único tipo de vida, talvez você pode ter outros tipos de vida, nenhum dos quais foram observados
  • Poderia haver diferentes tipos de vida em outras áreas do universo que não podemos ver
  • Há coisas que não podemos ver que refutar a física atual que podemos ver
  • Espuma quântica é prova de que existe um multiverso
  • O multiverso iria resolver o problema de sintonia fina

Quinto argumento: O dilema Eutífron

  • O argumento moral é refutada pelo dilema Eutífron
  • Dr. Craig é tão idiota que ele nunca ouviu falar do dilema Eutífron antes
  • Isto é encontrado no primeiro e mais simples diálogos de Platão
  • Porque é que o Dr. Craig é tão estúpido por não ter lido este simples diálogo antes?
  • A evolução explica por que os humanos evoluem costumes arbitrários e convenções que variam de acordo com tempo e lugar
  • Teorias morais alternativas: utilitarismo, contrato social, etc, que não necessitam de Deus

Sexto argumento: Mormonismo mina os três fatos mínimos de Dr. Craig sobre Jesus

  • Porque é que o Dr. Craig é tão estúpido e ignorante para persistir em levar tal argumento ignorante e estúpido?
  • O mormonismo é uma religião boba e que não é historicamente bem fundada
  • Portanto, Jesus não foi enterrado
  • O Islã é uma religião boba e sem fundamento histórico
  • Portanto, o túmulo não foi encontrado vazio
  • Cientologia é uma religião boba e sem fundamento histórico
  • Portanto, as testemunhas oculares não tiveram experiências de aparições post-mortem
  • Testemunho ocular não é confiável em alguns casos
  • Portanto, testemunho ocular não era confiável neste caso
  • Aparições de Maria são bizarras
  • Portanto, a maioria dos historiadores estão errado em pensar que os discípulos viram aparições post-mortem

Sétimo argumento: problema dedutivo do mal

  • Mal e o sofrimento são logicamente incompatíveis com um tudo de bom, Deus todo poderoso

Oito argumento: Deus não é justo em permitir o mal e o sofrimento

  • Deus não pode fazer os males desta vida virem para bem na vida após a morte

Refutação primeira Dr. Craig

Dr. Rosenberg esboçou o argumento dedutivo do mal.

Dr. Rosenberg pressupõe o naturalismo. O naturalismo é uma teoria falsa de conhecimento:

1. É muito restritiva: Existem verdades que não podem ser provadas pela ciência natural.
2. É auto-refutável: nenhuma prova científica para o naturalismo existe.

É por isso que o naturalismo epistemológico é considerada falsa pela maioria dos filósofos da ciência.

Mas, mais importante do que isso: o naturalismo epistemológico não implica naturalismo metafísico. (Ex. – W. Quine)

Dr. Rosenberg tem de apresentar argumentos a favor do naturalismo (metafísico), não apenas supor que ele é verdadeiro.

Dr. Craig apresentou oito argumentos contra o naturalismo metafísico extraídos do livro próprio Rosenberg:

1. O argumento da intencionalidade (tematicidade) de estados mentais implica em mentes não-físicas (dualismo), o que é incompatível com o naturalismo
2. A existência de significado na linguagem é incompatível com o naturalismo, Rosenberg até mesmo diz que todas as sentenças em seu próprio livro são sem sentido
3. A existência da verdade é incompatível com o naturalismo
4. O argumento do elogio e culpa moral é incompatível com o naturalismo
5. Liberdade libertária (livre arbítrio) é incompatível com o naturalismo
6. Propósito é incompatível com o naturalismo
7. O conceito de duração do “eu” é incompatível com o naturalismo
8. A experiência da subjetividade da primeira pessoa (“eu”) é incompatível com o naturalismo

Naturalismo metafísico é falso: é irracional e contradiz nossa experiência de nós mesmos.

E naturalismo epistemológico é compatível com o teísmo.

Rebatendo respostas Dr. Rosenberg:

1. Contingência: sem resposta

2. Cosmológico: ele alterou a primeira premissa para dizer todos os efeitos … quando é tudo o que existe …, a origem do universo não foi de um vácuo, partículas virtuais vêm de um vácuo não do nada, há interpretações da MQ que são compatíveis com o determinismo. Rosenberg tem que acreditar que o universo inteiro surgiu do não-ser.

3. Matemática: sem resposta

4. Sintonia fina: o multiverso é refutado por observações empíricas do universo. Sem o ajuste fino, não é que ainda poderíamos ter vida com base em silicone. É que perdemos  coisas mínimas básicas como a diversidade química, matéria, estrelas, planetas, etc Nenhuma vida de qualquer tipo, não apenas a vida baseada em carbono.

5. Intencionalidade: nenhuma resposta.

6. Argumento moral: a resposta para o dilema é que você dividir o dilema: Deus é o padrão de bem, e o comandos fluem de sua natureza moral imutável. Os comandos não são arbitrários, e que o padrão não é externo a Deus. Dr. Rosenberg é um niilista e ele não pode fundamentar o bem e o mal em sua visão niilista.

7. Ressurreição: Os Evangelhos são testemunho oculares precoces. Mormonismo e Islã não têm nada a ver com o conjunto mínimo de fatos históricos sobre Jesus aceitos pela maioria dos historiadores antigos de todo o espectro ideológico, declarações gerais contra testemunhas não refutam o testemunho ocular específico neste caso.

8. Experiência religiosa: Sem resposta.

Refutação primeira Dr. Rosenberg

Eu escrevi um livro e você deve comprá-lo, porque ele me convidou para este debate. Deixe-me repetir o título algumas vezes para você. Por favor, compre-o.

Dr. Craig está certo, há várias interpretações da MQ, e não apenas a que eu apresentei, incluindo as deterministas.

Todas as implicações perturbadoras do naturalismo que o Dr. Craig declarou seguem do naturalismo metafísico, e naturalismo metafísico é verdadeiro. (Nota: ele compara a ciência com o naturalismo metafísico)

A ciência prova que o naturalismo metafísico é verdade, mas eu não vou dizer qual testes científico específico prova minha suposição filosófica do naturalismo metafísico.

Vou fingir que o Big Bang (ciência) não refuta o naturalismo, como o Dr. Craig disse. Novamente. (Cobrindo as orelhas) Lá lá lá, não há Big Bang.

Nós não viemos aqui para debater o naturalismo epistemológico e naturalismo metafísico.

Deixe-me explicar o problema da intencionalidade uma vez que eu sou tão inteligente e ninguém sabe o que significa.

Existem muitas respostas para este problema da intencionalidade.

Minha resposta é que a maioria dos cientistas são naturalistas, portanto, o naturalismo é verdadeiro, independentemente do argumento da intencionalidade dos estados mentais.

É assim que eu iria responder a um dos oito problemas com o naturalismo que o Dr. Craig levantou. Eu não vou responder os outros sete problemas.

É um argumento da ignorância argumentar que a aplicabilidade da matemática para o universo requer um designer, porque há geometrias não-euclidianas. O argumento de Craig, que ele pegou de pessoas respeitadas como o físico Eugene Wigner , é bizarro. É estranho, portanto, eu refutei Eugene Wigner e todos os outros estudiosos que apresentam esse argumento. É bizarro! Bizarro!

Problema dedutivo do mal: não há resposta a este argumento, certamente a defesa livre arbítrio de Alvin Plantinga não responde. O argumento dedutivo do mal não foi totalmente abandonado de forma nenhuma! Não é como arco-ateu JL Mackie mesmo admite que o problema dedutivo do mal não levar a uma inconsistência lógica entre o mal e Deus.

Dr. Craig tem que me dizer por que Deus permite o mal ou Deus não existe.

É ofensivo que o Dr. Craig não pode me dizer por que Deus permite que todo o mal e sofrimento ocorra.

Ele literalmente disse o seguinte: “Vou me tornar um cristão, se o Dr. Craig me dizer por que Deus permitiu TODO O MAL QUE OCORREU NOS ÚLTIMOS 3,5 BILHÕES DE ANOS”

Refutação segunda Dr. Craig

Nós não estamos em posição de saber por que Deus permite situações específicas do mal e do sofrimento.

Deus não pode forçar as pessoas a livremente fazer qualquer coisa – a liberdade não é compatível com o determinismo. A liberdade é um bem, mas a liberdade abre a possibilidade do mal moral. Você não pode ter o bem de livre vontade, sem permitir que as pessoas optem por fazer coisas moralmente más.

Deus pode permitir o mal e o sofrimento, a fim de trazer mais pessoas para um relacionamento com Ele.

O ateu tem que mostrar que Deus poderia permitir menos mal e conseguir mais conhecimento de Deus, a fim de dizer que há muito mal.

O propósito da vida não é a felicidade, mas o conhecimento de Deus.

Dr. Craig cita agnóstico Paul Draper (Purdue) e Peter Van Inwagen (Notre Dame) para afirmar que o problema dedutivo do mal está morto por causa do livre-arbítrio e razões moralmente suficientes para permitir o mal.

1. Contingência: nenhuma resposta.

2. Cosmológico: MQ não se aplica, porque o universo não veio do nada, um vácuo, e MQ só funciona em um vácuo.

3. Matemática: Ele cita alternativas como geometria não-euclidiana, mas temos que explicar a estrutura do universo.

4. Sintonia fina:??

5. Estados intencionais: estados mentais intencionais prova que existem mentes, que se encaixa com o teísmo melhor do que ele se encaixa com o ateísmo.

6. Argumento moral: Você precisa de Deus para uma base da moralidade, e Dr. Rosenberg acredita em moralidade. Ele precisa de Deus para fundar valores e deveres morais objetivos.

7. Argumento histórico: Ele tem de responder aos fatos mínimos compatíveis com o consenso dos historiadores antigos em todo o espectro ideológico.

8. Os problemas do naturalismo: Ele diz que você não pode ter a ciência sem o naturalismo, mas você pode ter a ciência com o naturalismo epistemológico, e teístas aceitam a ciência e o naturalismo metodológico. Nós não aceitamos o NATURALISMO METAFÍSICO por causa dos oito problemas apresentados, como intencionalidade, primeira pessoa, persistência do “eu”, etc. Você pode acreditar na ciência e no teísmo, ao abraçar o naturalismo epistemológico, enquanto rejeita o naturalismo metafísico.

Refutação segunda Dr. Rosenberg

Dr. Craig não respondeu muitos dos meus pontos, embora eu não vá dizer quais foram.

Debates não funcionam como uma maneira de decidir o que é verdade, por isso, devemos derrubar o sistema de justiça criminal completo.

O princípio da razão suficiente é falso porque é refutada pela mecânica quântica. E a mecânica quântica (vácuo e partículas virtuais que existem por um curto período de tempo) é semelhante à origem do universo (nada e o universo inteiro e 14 bilhões de anos).

Sabemos que as partículas alfa vêm a existência sem causa o tempo todo de um vácuo quântico para uma duração de sub-segundo minúsculo antes de sair de existência, então podemos dizer que todo o universo físico surgiu há 14 bilhões de anos do nada absoluto que não é um vácuo quântico.

Peter Van Inwagen é o melhor metafísico trabalhando hoje, e ele diz que o meu argumento dedutivo do mal não é decisivo, não é um argumento bem sucedido. (Por que ele está minando seu próprio do argumento do mal??!)

Dr. Craig invocou a defesa livre arbítrio do  Plantinga para o problema do mal dedutivo. Liberdade nos permite fazer o mal. Deus poderia ter nos dado o livre arbítrio, sem mal e  sofrimento. Não vou mostrar como, mas eu só vou afirmar isso, porque os debates são um fórum ruim para fornecer evidência para minhas afirmações especulativas.

Se você responder a questão 3 + 5 como sendo 8, então você não tem livre arbítrio – você está biologicamente determinado, se você responder 8, porque todos respondem 8, e isto significa que todos estão determinados biologicamente, sem livre arbítrio.

Por que Deus não pode dar-nos o livre arbítrio e depois nos impedir de fazer uma escolha livre?

Nenhum estudioso data os evangelhos antes de 60-70 AD, especialmente os ateus como James Crossley que data Marcos em 40 AD. Portanto o sepultamento de Jesus não é histórico, como crê a maioria dos estudiosos em todo o amplo espectro de escolaridade que concordam que é.

Os documentos originais do Novo Testamento foram escritos em aramaico.

Todos os estudiosos do Novo Testamento são cristãos ortodoxos, como o ateu Robert Funk, por exemplo.

Discurso de encerramento Dr. Craig

Para sustentar o argumento dedutivo do mal, Dr. Rosenberg deve mostrar que Deus poderia criar um mundo de criaturas livres com menos mal.

Princípio da razão suficiente: não usar o princípio geral da razão suficiente, mas uma versão mais modesta que diz que coisas contingentes devem ter uma explicação para sua existência. E nós sabemos que o universo é um contingente.

O Novo Testamento não foi escrito em aramaico e sim em grego. Dr. Rosenberg está errado nisto também.

(Dr. Craig passa o resto de seu discurso de encerramento dando seu testemunho e exortando as pessoas a investigar o Novo Testamento).

Discurso de encerramento Dr. Rosenberg

Um cara morto a muito tempo, um francês chamado Laplace disse que não tem necessidade da hipótese (Deus). Quando ele disse isto ele não sabia sobre qualquer um dos argumentos que o Dr. Craig apresentou no debate desta noite, entanto.

Não há necessidade de explicar como o universo começou ou como o Universo está bem sintonizado, se você apenas assume o naturalismo metafísico em fé.

O coelhinho da Páscoa, portanto, o ateísmo.

A maioria dos cientistas são ateus, portanto, ateísmo.

Você pode fazer um monte de ciência sem Deus, só não olhe para a origem do universo, o ajuste fino do universo, ou as outras partes da ciência que Craig mencionou, bem como a origem da vida, a explosão cambriana, o argumento de habitabilidade, e assim por diante.

Você pode ser um cristão, mas bons cristãos não devem usar argumentos e provas.

Bons cristãos devem ser irracional e ignorante. Maus cristãos procuram argumentos e provas na ciência e história.

Bons cristãos deveriam abraçar o absurdo. Maus cristãos querem procurar a verdade e usar lógica e provas.

Fim da postagem do Wintery Knight

Resultado da votação:
1. Jurados: 4 x 2 Craig
2. Audiência: 1.390 x 303 Craig
3. Votação Online: 734 x 59 Craig

Alguns tuites engraçados, mas verdadeiros:

@doubtcast

William Lane Craig assassinou outro ateu que achava que  não precisa se preparar. # GODDebate próxima vez, gastar mais do que 4 minutos no google.

@CraigHazen
Pior resposta da noite – Rosenberg sobre a seleção natural e a origem dos valores universais. # GODdebate

@LeeStrobel
O debate Rosenberg / Craig faz-me lembrar: os cristãos têm uma vantagem injusta no mercado de idéias. Temos a verdade do nosso lado. # GODdebate

Comentários de Arthur Olinto

Quanto a estrutura do Debate:
O debate foi excelentemente organizado pela Purdue University, com apoio da universidade de Biola. A qualidade da transmissão foi muito boa e contava com a interação com usuários comentando ao vivo, via twitter. A hasttag #GODDebate chegou a ser a mais comentada da noite em todo o mundo! Comentários de toda a sorte no twitter animaram ainda mais o debate; tornando-o cada vez mais eletrizante.

Sobre a atuação do Rosenberg:
Dr. Rosenberg aparentava ser um ateu sério, mas ao decorrer no debate, recorreu a truques sujos, digno de um neo-ateu.

Primeiramente, ele usou uma série de argumentos ad hominem no começo do debate. Depois, utilizou vários apelos a maioria. Veio muito mal preparado para o debate. Por exemplo, ele usou um argumento na sua fala final, o que está passível de ser interpretado como covardia [ ou seria malandragem ? ], visto que seu oponente não teve chance de responder.

Rosenberg reclamou várias vezes sobre o formato do debate, o que é um non-sense. Ora, se ele estava ali, é porque tinha concordado com as regras do debate.

Sobre a atuação de Craig :
Craig, mais uma vez, deu amostras do seu enorme talento. Não é a toa que ele é considerado um dos maiores filósofos do nosso tempo. Veio altamente preparado para o debate. Ao contrário do seu habitual cinco argumentos para a existência de Deus, dessa vez ele usou 8 (!) argumentos, o que, aparentemente, pegou seu oponente de surpresa. Craig mostrou o quão frágeis são as bases do Naturalismo de Rosenberg, valendo-se do excelente trabalho de Alvin Plantinga sobre o assunto. Usou slides para sumarizar suas ideias, ao contrário de Rosenberg. O exímio trabalho de preparo de WLC rendeu bons frutos. Ele deixou o oponente totalmente desconcertado, visto que ele não conseguiu responder adequadamente as objeções levantadas. Além de ler todo o trabalho de Rosenberg, WLC chegou ao ponto de ler folhetos que estavam distribuindo antes do debate no Campus da universidade.

Conclusão : Foi uma vitória mais que merecida para WLC, que foi vitorioso em todos os estilos de votação ( Júri, presencial e online ), com a maioria esmagadora dos votos.

24 Razões do Porquê o Inferno é Real

David Shibley
Tradução: Mike Moore
Original

Alguns falsos mestres de hoje gostam de nos fazer pensar que todo mundo vai, eventualmente, chegar ao céu. Não acreditem neles.

William Booth, fundador do Exército de Salvação e um homem que dedicou sua vida a tirar os pobres do pecado e da pobreza, teria feito a seguinte declaração: “A maioria das organizações cristãs gostaria de enviar seus trabalhadores para faculdades Bíblias por cinco anos. Eu gostaria. De envia nossos trabalhadores para o inferno por cinco minutos. Isso iria prepará-los para uma vida de ministério de compaixão. ”

Booth nunca sugeriu que as pessoas desesperadas que ele serviu já estavam no inferno.” Ele acreditava em um inferno real, eterno, e isso o levou a resgatar pessoas de ambas situações: a atual e a perdição futura.

Pouco antes de sua morte, em 1912, Booth alertou profeticamente que ele viu vindo para a igreja “perdão sem arrependimento, salvação sem regeneração … um céu sem um inferno.”

No nevoeiro teológico de hoje, sua advertência sinistra está se desenrolando. Mesmo alguns que afirmam crer na Bíblia estão tendo segundos pensamentos sobre o julgamento eterno, e outros rejeitaram a noção de juízo por completo. O nome normalmente dado a esse ensinamento é Universalismo.

Universalismo, basicamente, é a crença de que todas as pessoas serão salvas. Morte e ressurreição de Jesus irá automaticamente, ou pelo menos, eventualmente, salvar a raça humana inteira. Arrependimento pessoal e a fé em Cristo não são necessárias para ir para o céu. A missão cristã é reduzida a anunciar ao povo a “boa notícia” que eles já estão salvos.

Mas a Escritura ensina que todos serão salvos? Há evidência bíblica esmagadora em contrário.

Eu gostaria de oferecer 24 razões para se rejeitar o Universalismo. Você pode ser capaz de adicionar mais alguns por conta própria.

1. Jesus fez de ambos: o arrependimento e a fé pré-requisitos para o perdão. “Mas se não se arrependerem, todos vocês também perecerão. ” (Lucas 13:3, NVI). “O Reino de Deus está próximo.”, dizia ele. “Arrependam-se e creiam nas boas novas! ” (Marcos 1:15).

2. A “água da vida” é oferecida a todos, mas nem todos a recebem ou mesmo desejá-lo. “quem quiser, beba de graça da água da vida” (Apocalipse 22:17).

3. Escritura ensina que haverá um julgamento após a morte. “Da mesma forma, como o homem está destinado a morrer uma só vez e depois disso enfrentar o juízo ” (Hb 9:27).

4. Aqueles que não tiveram uma verdadeira conversão irão experimentar um julgamento pelo pecado que a Bíblia descreve como “a segunda morte.” Mas os covardes, os incrédulos, os depravados, os assassinos, os que cometem imoralidade sexual, os que praticam feitiçaria, os idólatras e todos os mentirosos — o lugar deles será no lago de fogo que arde com enxofre. Esta é a segunda morte”. (Ap 21:8).

5. Contrariamente às crenças universalistas, o ensinamento de Jesus indica que a maioria da humanidade está em um caminho largo que leva à destruição. “‘Esforcem-se para entrar pela porta estreita, porque eu lhes digo que muitos tentarão entrar e não conseguirão. Quando o dono da casa se levantar e fechar a porta, vocês ficarão do lado de fora, batendo e pedindo: “Senhor, abre-nos a porta”. Ele, porém, responderá: “Não os conheço, nem sei de onde são vocês”. Afastem-se de mim, todos vocês, que praticam o mal!”’” (Lucas 13:24-27).

6. Jesus falou muitas vezes de um lugar terrível de julgamento para aqueles que estão fora do governo do Seu reino. “O Filho do homem enviará os seus anjos, e eles tirarão do seu Reino tudo o que faz tropeçar e todos os que praticam o mal. Eles os lançarão na fornalha ardente, onde haverá choro e ranger de dentes. “ (Mateus 13:41-42).

7. A Bíblia ensina tanto o amor de Deus quanto o Seu julgamento do pecado. Confiando no pagamento de Cristo pelos nossos pecados estamos salvos deste juízo. “Mas Deus demonstra seu amor por nós: Cristo morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores. Como agora fomos justificados por seu sangue, muito mais ainda seremos salvos da ira de Deus por meio dele!” (Rm 5:08 -9).

8. Em um dos versos mais amorosos na Bíblia, Jesus expôs as opções eternas. “Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3:16).

9. A Escritura ensina que há um interminável, julgamento eterno para aqueles que não conhecem a Deus e que não respondem em fé ao evangelho. “o Senhor Jesus [será] revelado lá do céu, com os seus anjos poderosos, em meio a chamas flamejantes. Ele punirá os que não conhecem a Deus e os que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus. Eles sofrerão a pena de destruição eterna, a separação da presença do Senhor e da majestade do seu poder.” (2 Ts. 1:7-9).

10. Jesus ensinou enfaticamente que um nascimento espiritual é essencial para entrar no reino dos céus. “‘Em verdade, vos digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus” (João 3:3).

11. Em resposta a uma pergunta muito clara sobre o que é necessário para a salvação, Paulo deu uma resposta muito clara: “Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo” (At. 16:31).

12. Jesus não deu nenhuma indicação de que muitos caminhos levam a Deus. Ele com determinação afirmou que era o único caminho. “‘Eu sou o caminho, a verdade, e a vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim” (João 14:6).

13. Os primeiros pregadores da igreja claramente pregavam que Jesus é o único caminho para a salvação. “E não há salvação em nenhum outro, pois não há nenhum outro nome debaixo do céu, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos” (Atos 4:12, ver também 1 Tm 2:5;. Hebreus 2:3-4.; 1 Ped. 1:3-5).

14. Segundo a Escritura, só aqueles que recebem Jesus Cristo e acreditam nEle são filhos de Deus. “Mas a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus, aos que crêem no seu nome” (João 1:12).

15. O evangelho é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê. “Pois não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê” (Rm 1:16; ver também 10:9).

16. Em vez de ensinar que aqueles sem fé em Cristo já estão salvos, a Bíblia ensina que eles já estão em julgamento. A fé em Cristo nos retira da condenação e nos leva a uma relação correta com Deus. “Aquele que crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, porque não acreditou no nome do Filho unigênito de Deus” (João 3:18).

17. Somente aqueles cujos nomes estão no Livro da Vida do Cordeiro têm acesso para a cidade eterna de Deus. “E aquele que não foi achado inscrito no Livro da Vida, foi lançado no lago de fogo” (Apocalipse 20:15, ver também 21:27).

18. As pessoas não são automaticamente justas. Somente quando nós declaramos a fé em Jesus Cristo que Deus nos declara justos aos Seus olhos. “Mas ao que não trabalha, mas crê naquele que justifica o ímpio, sua fé lhe é imputada como justiça” (Rm 4:5).

19. A vida eterna vem somente através de um relacionamento com Deus. Não podemos conhecer o Pai a não ser que conheçamos o Filho. “E esta é a vida eterna: que te conheçam a ti, único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste” (João 17:3).

20. A cruz de Cristo é onde o pagamento por nossos pecados foi feito. Só quando acreditamos nisto é que estamos salvos. “E, como Moisés levantou a serpente no deserto, assim deve o Filho do Homem seja levantado [na cruz], para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:14-15 ).

21. Só quem tem o Filho de Deus tem a vida eterna. “E este é o testemunho: Deus nos deu a vida eterna, e esta vida está em seu Filho Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida.” (1 João 5: 11-12).

Além desses versos, a história de Cornélio em Atos 10 e 11 fornece provas contra o universalismo. Cornélio era devoto, orou muitas vezes, deu generosamente aos pobres e até recebeu uma visitação angelical. No entanto, Deus fez um grande esforço para levar o evangelho a ele para que ele pudesse vir a conhecer Jesus e ser salvo.

22. Adicionada à avalanche de evidências bíblicas, há também razões práticas para rejeitar Universalismo. A história ensina que aderir ao Universalismo coloca a igreja em um escorregador para o liberalismo teológico. Logo toda a confiança na Escritura é perdida e a singularidade do evangelho cristão evapora.

23. Se abraçarmos o Universalismo, não há urgência de evangelizar ou imperativo de fazer missões. Na verdade, evangelismo e missões teriam que ser redefinidos. Precisamos olhar mais longe do que a maioria das principais denominações, para ver o que acontece com a evangelização quando o Universalismo é prevalente.

24. Se o universalismo for finalmente provado certo, nada terá sido perdido pela nossa urgência continuada em ganhar as pessoas para a fé em Cristo. Mas se é falsa e nós a abraçarmos, então tudo estará perdido para sempre – incluindo as pessoas que não conhecem a Cristo.

Corações Inquebrantados

Precisa ser dito claramente que o caráter de Deus não está em julgamento. O juiz de toda a terra vai fazer o que é certo (veja Gn 18:25). A nossa fé está em julgamento. Nossos corações estão em julgamento. Mas Deus não está em julgamento. Qualquer que seja o julgamento que Ele faz em relação àqueles que não responderam ao evangelho será executado de acordo com seus padrões de perfeita justiça e amor.

Quando refletimos sobre a misericórdia de Deus, toda esta questão é invertida. Porque Deus é perfeitamente santo, o milagre não é que alguns serão perdidos. A maior surpresa é que ninguém da humanidade rebelde será salvo! Só a obra de Cristo na cruz pode nos reconciliar com Deus.

Deus colocou o obstáculo mais maciço possível para parar a corrida louca da humanidade em direção ao inferno. Ele enviou Seu Filho. Deus interveio pessoalmente através de Cristo. Seu sacrifício na cruz pagou o preço por nossos pecados. Esta é a boa notícia para todos os que crêem e recebê-Lo.

Defender o Universalismo é triste. Mas rejeitá-lo sem qualquer impacto em nossos corações ou mudança em nossas prioridades é sinistro. Se acreditarmos que as pessoas estão perdidas fora de Cristo (e estão), e que a fé em Cristo é o único caminho de salvação (e é), o que poderia ser uma prioridade maior do que levar o evangelho o tão longe e rápido possível?

Pronunciar as pessoas “salvas”, que estão, obviamente, escravizadas pelo engano, escuridão, e pelo diabo é certamente a mais cruel das piadas. Nós somos enviados para um mundo perdido, com um evangelho de poder. Nossa mensagem dá visão aos espiritualmente cegos e liberta aqueles que estão presos por Satanás. Nós não pregamos que as pessoas estão perdoadas, mas que eles podem ser perdoadas.

Eu não gostaria de estar diante de Jesus Cristo como um Universalista. Mas nem eu gostaria de estar diante do Senhor como um evangélico que não era evangélico. Que sério acerto de contas deve nos esperar, se cremos em tormento eterno para aqueles sem fé em Cristo – e ainda não fazemos nada! A recuperação da verdade bíblica e evangelismo compassivo são as necessidades gêmeas gritandes da igreja americana.

O apóstolo Paulo disse que ele estaria disposto a abrir mão de seu lugar em Cristo, se por tal sacrifício outro seria salvo (cf. Rom. 9:2-3). Ele acreditava que todas as pessoas fora de Cristo estavam perdidas, e isso o deixou com o coração partido.

Mais que a invasão do Universalismo, é o nosso coração inquebrantado, que muitas vezes impedem o evangelismo. Muitos cristãos hoje nunca ouviram falar de “um fardo para os perdidos.” A colheita é enorme e pronta para ser colhida por aqueles que estão dispostos a semear o primeiro em lágrimas (veja Sl. 126:5-6).

Teologia correta só vai nos indiciar se não recuperarmos o imperativo evangelístico. Devemos acreditar na verdade, e devemos agir no que acreditamos. Vamos não apenas rejeitar a teologia defeituosa, vamos abraçar aqueles que precisam de Jesus.

David Shibley é presidente da Global Advance, um ministério que oferece treinamento e recursos para milhares de pastores em países em desenvolvimento.

Comediante neo ateu Bill Maher ajuda ex-ateu a se converter a Jesus Cristo.

Vídeo

Comediante neo ateu Bill Maher ajuda ex ateu a se converter. Continuem o ótimo trabalho neo ateus!

Depois de assistir o “documentário” Religulous do comediante Bill Maher, ex-usuário de drogas Jon Joseph viu a evidente tendenciosidade dele. Motivado pela superficialidade de Maher, Josephh decidiu explorar o cristianismo mais a sério. Eventualmente, Joseph se tornou um cristão renascido e deixou a vida de abuso de drogas e promiscuidade. Graças a Deus.