Cartilha Lógica 4: Um Olhar Sobre a Língua

Original: Apologetics 315 (Brian Auten)
Tradução: Mike Moore

No estudo da lógica, a linguagem desempenha um papel fundamental. Clareza na linguagem é essencial, a fim de comunicar o significado preciso. O objetivo quando se olha para a linguagem é determinar a intenção da comunicação. Determinar a intenção ou o objetivo de sua comunicação e compreender a intenção da pessoa com a qual você está se comunicando é o primeiro passo crucial na obtenção de clareza.Linguagem, de acordo com Copi, pode servir três funções. A primeira função é a de transmitir informações. A segunda função é expressar emoções ou sentimentos. A terceira função é de provocar ou impedir uma ação. 1 Toda a comunicação vai se enquadrar nessas categorias. O orador está informando, expressando, ou dirigindo?Exatamente o que você está tentando comunicar? Escolha palavras e linguagem que sejam tão precisas e exatas quanto possível para transmitir esse significado. “Se o nosso objetivo é transmitir informações, e se quisermos evitar ser mal interpretado, devemos usar a língua com o menor impacto emotivo possível.” 2

Definição de palavras é a próxima parte crítica da comunicação clara. A comunicação muitas vezes fica confusa, porque as palavras e os significados são simplesmente obscuras, vagas, ambíguas, ou de outra forma confusas. Em resposta, um certo número de definições podem ser usados para trazer mais clareza de significado.

Em primeiro lugar, as definições lexicais são usadas ​​para definir palavras que já são  geralmente conhecidas. Isso elimina a ambigüidade na comunicação pela simples citação da definição comum de uma palavra em uso. Segundo, definições estipulativas age para atribuir um significado especial para termos recentemente introduzidos no diálogo. Mais uma vez, este tipo de definição elimina a ambigüidade. Ela simplesmente atribui (estipula) uma definição para um termo novo que está sendo usado. Um terceiro método de clarificação de linguagem é a definição precisa, o que reduz a imprecisão, trazendo um significado mais específico para um termo. Este tipo de definição aumenta a precisão e exatidão.

Outros tipos de definições podem ser apresentadas, mas para os nossos propósitos será suficiente simplesmente apontar que a definição dos termos é de extrema importância quando se pretende comunicar de forma clara e pensar logicamente. Quando a linguagem é clara e os termos são claramente compreendidos, então, os argumentos podem ser avaliados.

Esclarecer através de perguntas é outra parte crucial de uma boa comunicação. Em um diálogo, é comum que as palavras e frases usadas ​​podem ser compreendidas de  um certo número de maneiras diferentes. Se alguém diz que algo foi “interessante”, o significado aqui poderia ser difícil de discernir. É insuficiente para acrescentar descrição. Será que a pessoa quer dizer que não gostou? Ela quer dizer que foi atraída? Esta palavra é vaga.

Quando palavras vagas são usados, questão de esclarecimento: “O que você quer dizer?” “O ​​que você quer dizer com isso?” E “Você poderia explicar?” Adicionam mais profundidade e detalhes à comunicação.
Quando alguém usa palavras que podem ser tomadas de diferentes maneiras, suas palavras são ambíguas. Se alguém descreve um concerto como “ruim”, eles querem dizer “legal” ou “não é bom?” É claro que, na comunicação verbal pessoal o significado normalmente pode ser facilmente percebido a partir do contexto, tom e linguagem corporal do comunicador. No entanto, na comunicação escrita, tais indicadores estão ausentes. Estamos dependentes só do contexto para discernir o significado. É por isso que a clareza é essencial.

Outra variante do uso ambíguo de palavras é o equívoco. Isso acontece quando o comunicador usa uma palavra particular X com o significado Y, mas depois usa X com significado Z. Por exemplo, pode-se usar o termo evolução no sentido de “mudança ao longo do tempo”, mas, mais tarde, no discurso o significado mudou com “moléculas ao homem.” Quando alguém faz a pergunta, “você acredita na evolução?” é importante eliminar a ambigüidade e definir o uso da palavra na conversa, a fim de evitar equívocos e confusão.

Anfíbólo acontece quando uma frase é dita (ou escrita) de maneira ambígua. Por exemplo, a frase: “O Oráculo de Delos disse a Croseus que se ele continuasse a guerra destruiria um reino poderoso.” 3 é um anfíbolo por causa da ambigüidade na construção gramatical. O comunicador claro evita ambigüidade.

A regra de ouro como um ouvinte é fazer perguntas de esclarecimento sempre que você não tiver certeza do significado, se a comunicação não é clara, e quando você precisar de mais informações. Se você é o comunicador, procure o máximo de clareza possível, de modo que o seu significado de sua mensagem seja compreendida. Comunicação clara é essencial para a compreensão exata.

Aqui estão alguns recursos para você se aprofundar:

Recursos de áudio:
– Critical Thinking curso de áudio

Livros úteis:
– Asking the Right Questions por Browne & Keeley
– Informal Logic por Douglas Walton

Sites da Web sobre este tema:
Critical Thinking Web
– O pensamento crítico na wikipedia
Critical Thinking on the Web

Na próxima postagem veremos Falácias Lógicas.

1 Geisler and Brooks, pp. 72-73.
2 Ibid., p. 96.
3 Robert J. Gula, Nonsense: A Handbook of Logical Fallacies (Mount Jackson, VA: Axios Press, 2002), p. 91.

Anúncios

2 respostas em “Cartilha Lógica 4: Um Olhar Sobre a Língua

  1. Pingback: Uma Cartilha Básica de Lógica | A Razão da Esperança – Apologética Cristã

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s