Eles não acreditam, porque seu Deus não é desejável


Artigo Original: http://www.patheos.com/blogs/jesuscreed/2012/07/07/they-dont-believe-because-your-god-isnt-desirable/  
Autor: Jeff Cook
Tradução: Mike Moore

Eu assisti o recente debate entre William Lane Craig, um cristão e Sam Harris, um ateu. O debate (visto aqui) foi sobre os fundamentos da moralidade. O cristão abordou a questão filosófica com habilidade e discernimento. Pelo meio do debate o ateu me pareceu seriamente superado e dominado.

No entanto, em seguida, as coisas mudaram. Sam Harris começou a colocar um conjunto de argumentos que não tinham nada a ver com o tópico em questão: o problema da diversidade religiosa, o problema do sofrimento, reflexões sobre o caráter de Deus na Bíblia. No final, eu pensei que o ateu havia vencido — não porque ele realmente abordou a questão em debate — nesta frente eu pensei que ele falhou. Eu não me lembrava de nada que o Cristão tenha dito que me fez querer acreditar no Deus dele, mas eu tinha uma lista significativa de coisas que o ateu disse que me fez pensar que o Deus cristão era detestável.

O debate é sobre o que é racional, ou sobre desejo? O que você acha da noção de Jeff Cook que o desejo deve ser abordado mais em apologética?

Tais experiências não são incomuns. Apesar de sólida e racionais refutações de filósofos de toda a parte, apesar do fato de que o clã “neo ateísta” parece irremediavelmente ingênuo sobre ética e epistemologia — seus argumentos continuam a ganhar terreno, porque eles sabem de algo que o apologista cristão aparentemente não sabe.

O debate sobre Deus, em nossa cultura não é sobre o que é racional.

Bill Maher, Christopher Hitchens, Penn Jillette, Richard Dawkins, etc, especializaram-se — não no pensamento filosófico — mas em ridícularizações. E isso significa que os neo ateus se tornaram excelentes no único campo evangelístico eficaz que importa — o da emoção e desejo humano. A maioria dos apologistas Cristãos, por outro lado, parecem satisfeitos em entregar este terreno e preferir a mera racionalidade. Este é um erro trágico e é o principal motivo da crença cristã estar diminuindo, sendo marginalizada e um alvo fácil para comediantes noturnos.

Blaise Pascal disse: “homens desprezam a religião. Eles odeiam e tem medo de que ela seja verdade. A cura para isso é primeiro mostrar que a religião não é contrária à razão, mas digna de reverência e respeito. Em seguida, torná-la atraente, fazer homens de bem gostar que ela fosse verdade e, em seguida, mostrar que ela é.” (Pensees 12).

Muitas vezes (especialmente online) aqueles de nós que gostam de discutir em defesa do Teísmo Cristão salta para o fim da lista de Pascal. Pensamos que temos sólidos argumentos para oferecer. Infelizmente, não temos uma base digna para a demonstração de tais argumentos. Não estabelecemos que o Cristianismo deve ser reverenciado, nem que é atraente, nem que é digno de carinho. Nós preferimos sacar nossas cinco provas para sua “verdade” e levar errôneamente interlocutores ao Reino frio. Este é um erro, pois a maioria do nosso público verá tais argumentos como jogos de poder, como manipulação, como simplesmente uma outra propaganda por aí tentando seduzi-los para comprar algo.

Por outro lado, aqueles que argumentam contra o teísmo cristão hoje têm seguido bem a fórmula de Pascal. Eles começam mostrando a sua audiência que o seu Deus é arbitrário, sedento de sangue, e tem  prazer no tormento eterno e consciente de grandes porções da humanidade para levar a Si mesmo “glória”. Em segundo lugar, eles têm mostrado que o Teísmo Cristão não é atraente, transforma seres humanos em lunáticos bem documentados que começam guerras em nome de seu Deus, que são irracionais e condenatórios, e cujas preferências políticas irão destruir a liberdade humana. E finalmente eles apresentam argumentos brandos, não-curiosos e facilmente refutáveiss para a verdade do materialismo (porque infelizmente para eles, esses são os únicos tipos de argumentos disponíveis para o materialismo) —, mas neste ponto tais argumentos parecem dignos e são facilmente engolidos. 
Porque, novamente, o debate sobre Deus hoje não é sobre o que é razoável — é quase inteiramente sobre preferências e desejo.
Uma pessoa deve querem que Deus exista para se tornar um seguidor de Jesus, e como tal, é hora de uma reformulação radical de apologética que começa onde quase todos os passos de Jesus para o Reino começaram — com o desejo humano (considere, por exemplo, as bem-aventuranças).

Futuramente irei publicar mais dois posts sobre o movimento em direção a uma apologética mais eficaz (ou você pode ler um livro recentemente publicado que visa exemplificar a estratégia: aqui). Mas deixe-nos começar com esta alegação preliminar:

O desejo foi negligenciado pelos apologistas? As batalhas intelectuais foram ganhas à custa dos buscadores sedutores em direção ao Cristo ressuscitado? Onde você vê os cristãos efetivamente apresentando a desejabilidade de Deus?

Estou ansioso para dialogar com você sobre isso nos próximos dias.

Jeff Cook palestra sobre filosofia na University of Northern Colorado. Ele é o autor de Tudo novo: A Busca de um filósofo por um Deus que valha a pena acreditar em (Subversive 2012). Você pode ver seu trabalho em www.everythingnew.org

Anúncios

Provavelmente Achado o Mais Antigo Manuscrito do Novo Testamento

Autor Daniel B. Wallace
Original: http://www.dts.edu/read/wallace-new-testament-manscript-first-century/
Tradução: Mike Moore

Em 1 de Fevereiro de 2012, eu debati com Bart Ehrman na UNC Chapel Hill sobre se temos hoje o texto o original do Novo Testamento. Este foi o nosso terceiro debate sobre o mesmo assunto, e foi perante uma multidão de mais de 1000 pessoas. Eu mencionei que sete papiros do Novo Testamento haviam sido descobertos recentemente, seis deles provavelmente do século segundo e um deles provavelmente do primeiro. Estes fragmentos serão publicados em cerca de um ano.

Estes fragmentos agora aumentam nosso arquivo da seguinte maneira: temos 18 manuscritos do Novo Testamento do século segundo e um do primeiro. Ao todo, mais de 43% de todos os versículos do Novo Testamento são encontradas nesses manuscritos. Mas o mais interessante é o fragmento do primeiro século.

Ele foi datado por um dos paleógrafos líderes mundiais. Ele disse que era “certo” que era do primeiro século. Se isso for verdade, será o mais antigo fragmento do Novo Testamento conhecido. Até agora, ninguém descobriu nenhum manuscrito do primeiro século do Novo Testamento. O mais antigo manuscrito do Novo Testamento tem sido o P52, um pequeno fragmento do Evangelho de João, datado da primeira metade do século segundo. Foi descoberto em 1934.

Não só isso, mas o fragmento do primeiro século é do Evangelho de Marcos. Antes da descoberta do fragmento, o manuscrito mais antigo que tinha Marcos era o P45, do século segundo (dC 200-250). Este novo fragmento antecederia isto em 100 a 150 anos.

Como esses manuscritos mudam o que nós acreditamos que o texto original do Novo Testamento nos diz? Teremos de esperar até que eles sejam publicados no próximo ano, mas por enquanto podemos muito  provavelmente dizer o seguinte: Tal como aconteceu com todos os papiros do Novo Testamento publicados anteriormente (127 deles, publicados nos últimos 116 anos), não haverá uma única leitura nova autêntica. Em vez disso, a função dos papiros será confirmar o que estudiosos do Novo Testamento já entendiam ser  o texto original ou, em alguns casos, para confirmar uma alternativa de leitura, mas que já se encontra nos outros manuscritos. Como exemplo: Suponha que um papiro tenha a palavra “Senhor” em um verso, enquanto todos os outros manuscritos tenham a palavra “Jesus”. Os estudiosos do Novo Testamento não iriam adotar e não têem adotado tal leitura como autêntica, precisamente porque temos provas abundantes para a redação original em outros manuscritos. Mas se um papiro mais antigo tem em outro lugar “Simão”, em vez de “Pedro”, e “Simão” também é encontrado em outros manuscritos antigos e de confiança, isto pode convencer os estudiosos de que “Simão” é a leitura autêntica. Em outras palavras, o papiro têm confirmado várias leituras como autênticas nos últimos 116 anos, mas não introduziu novas leituras autênticas. O texto original do Novo Testamento se encontra em algum lugar nos manuscritos que foram conhecidos há algum tempo.

Estes papiros novos, sem dúvida, continuarão esta tendência. Mas, se este fragmento de Marcos for confirmado como sendo do primeiro século, que emoção será ter um manuscrito que é datado do tempo de vida de muitas das testemunhas oculares da ressurreição de Jesus! 

Link do debate de Dan Wallace com Bart Ehrman (sem legendas)

Caro Garoto Gay

Caro Garoto Gay,

Por Matt Moore
Tradução: Mike Moore (não somos parentes)
Original:
http://moorematt.com/2012/07/08/dear-gay-kid/


Eu passei minha vida inteira tentando ser alguém que eu não era. Desde a época eu tinha 1,2 metro de altura que eu estava mentindo para todos ao meu redor, fingindo ser uma pessoa que eu sabia que eu realmente não era. Eu me odiava. Eu odiava quem eu realmente era. Eu odiava que eu era gay. Eu odiava viver em um mundo onde isso não era normal. Eu odiava que eu tinha que me esconder. Eu tive que colocar tanto  pensamento e energia em tentar ser o algo por fora completamente oposto do que eu era por dentro. Eu nunca poderia relaxar, ou, “ser eu mesmo”, como meu pai sempre me disse para fazer. Todo mundo via como eu era rígido. Minha madrasta me disse: “Eu só queria que você se divertisse como uma criança, sabe? Você estava sempre tão preocupado e duro consigo mesmo. “

Mas eu nunca poderia ser eu mesmo, porque eu não seria aceito por minha família e eu seria rejeitado pelos meus amigos. Ser eu mesmo nunca foi uma opção. 

Era me esconder ou ser odiado. Então, eu me escondi. As pessoas sabiam, elas sentiram isso. Eu estava mais confortável em torno das meninas, então eu ficava em torno delas muito mais do que rapazes. Isto, obviamente,trouxe alguma especulação. Eu fui xingado … bicha, gay, etc Tudo que eu podia fazer era rir e agir como se eu não me importasse. Mas eu me importava. Meu maior medo era alguém descobrir que eu era gay, e aí estavam todas essas pessoas me chamando de gay. Isso pressionou-me apenas a aumentar os meus esforços para tentar ser alguém que eu não era. Ninguém jamais poderia descobrir sobre mim, nunca.

Eu não sei se você sabe disso, mas quanto mais você “finge até que você se torne”, a vida se torna mais deprimente. Depressão era algo que eu vim a conhecer muito cedo, e é algo que ainda sofro de maneira demasiado frequentemente. Eu estava tão cansado. Passei tanto tempo na minha mente sobre-analisado cada situação, conversa e ação que eu levei para me certificar de que o meu segredo permanecesse seguro. E ao mesmo tempo, eu ainda tinha esse desejo irresistível por homens… e a única maneira que eu conhecia de satisfazer este desejo era através da pornografia. Porn era o único lugar onde eu podia experimentar o que eu era naturalmente. Mas isso só acarretava mais esconderijos e mais stress, devido ao medo dos meus pais descubrirem.

E onde estava Deus nesta equação inteira? Bem, ele não estava me deixando hetero, isto era certo. Deus deveria ser alguém que respondesse a nossas orações, e quantas vezes eu rezei para não ser gay? Inúmeras vezes. E adivinhem, eu ainda era gay. Eu não acreditava mais em Deus.


A única coisa que parecia libertar-me da minha seriedade e rigidez era o álcool. Aprendi a amar essa coisa. Meu primeiro ano de faculdade foi quando eu comecei a beber muito, sair muito, e, posteriormente, fazer uma tonelada de amigos. Todo mundo adorava o Matt bêbado. Matt
Bêbado era solto e divertido, ao contrário de Matt sóbrio. Quanto mais eu bebia, menos eu me importava com que as pessoas pensavam sobre mim. Depois de alguns anos de festa, e alguns encontros amorosos “secretos”, adotei a mentalidade do “Que se  # $% @” e, finalmente, sai e disse a todos que eu era gay.

 A vida ficou melhor? Sim, em certos aspectos. Senti-me mais livre do que jamais tinha sido antes. Eu senti que não estava me escondendo mais. E para minha surpresa, eu era amplamente aceito. Fui perseguido por rapazes, o que foi ótimo. Era bom se sentir desejado. Eu tive mais amigos do que, provavelmente, jamais teria, por isso o meu sonho de popularidade era agora uma realidade. Até minha família me aceitou, para minha surpresa. Num período de poucos meses, a vida que eu achava que era impossível atingir estava agora ao alcance das minhas mãos.

 Minha vida foi divertida … mas não era o que eu tinha pensado que seria. Não foi tão satisfatório. O sexo não era tão bom como eu tinha imaginado que fosse, ou tão glorioso como a pornografia se mostrava. E eu tive relações sexuais com algumas pessoas, então eu sei. Amizades significativas no mundo gay eram difíceis de encontrar. Havia traição constante da amizade em todos os lugares que você olhava; fofocas, encontros sexuais com o namorado de um amigo, humilhação pública, etc. Eu jamais ví lealdade. Foi tudo superficial. Os relacionamentos românticos eram quase inexistentes, muito, muito raros. Eu vi e ouvi de múltiplos relacionamentos de longo prazo que foram encerrados, de repente por traição… e dentro de alguns dias os dois rapazes já estavam namorando e se juntando com novas pessoas. Era um constante movimento de uma pessoa para outra, de um relacionamento para o outro. Não havia amor no estilo de vida gay, apenas um desejo por mais. Mais sexo, mais álcool, mais drogas, mais noites fora de controles. Não havia  contentamento. Nenhuma estabilidade. Não há paz. Felicidade podeia ser encontrada, com certeza, mas foi sempre de curta duração. Você acha que havia encontrado um cara que você realmente podia ver a si mesmo em um relacionamento… e, em seguida, você ou ele iria provocar uma bagunça completa no relacionamento em questão de semanas, geralmente resultante de se relacionar sexualmente com outro homem.

O estilo de vida gay é impulsionado por sexo, não amor. Mas eu não sabia disto que até Deus me tirou desse estilo de vida e me colocou do lado de fora, então eu pude olhar com olhos claros. Sim, isso mesmo, Deus. O Deus em quem eu não acreditava. O Deus que nunca me respondeu quando eu orei quando criança. Eu não posso explicar completamente em palavras o que aconteceu, mas agora que eu olho para trás eu posso ver que Deus estava me encaminhando para Ele por um período de alguns meses. Eu não sabia, é claro, eu estava vivendo minha vida como eu queria e Ele não estava no meu radar. Mas um dia eu sabia que eu tinha de tê-Lo, eu tinha que conhecê-Lo, eu tinha que viver para Ele. Eu queria viver para Ele. Então eu comecei a fazer isto.

Então Deus me fez hetero? Não. Ele fez-me VIVO. Eu ainda sinto atração por homens, mas de repente, as coisas se tornaram muito maior do que as minhas preferências sexuais. Eu percebi que eu havia sido realmente feito por Deus, feito à mão por Deus, e Ele queria que eu O procurasse. E, depois de estudar a Bíblia por alguns meses, percebi que a única razão pela qual eu queria procurar por Ele era porque Ele já tinha me escolhido a dedo e me procurado antes que o tempo houvesse sequer começado! Ele me desejou em tão elevado grau que Ele se tornou um homem e suportou a ira e a punição que eu merecia pelo meu pecado. Deus pendurado em uma cruz, por mim. Ele me perseguia. 

Você provavelmente está pensando: “Ok, Matt. Se Deus te amou tanto, então por que Ele fez você ser gay, quando Ele diz na Bíblia que é errado? “Eu sei que você está pensando isto porque eu pensei a mesma coisa …. então eu procurei a resposta, na Bíblia. Eu não queria respostas “humanas”. Quero dizer, eu sei que as pessoas possuem dúvidas sobre a Bíblia. Ei, eu tinha as minhas próprias dúvidas sobre elas. Mas a media que eu a li…. minha fé nela cresceu. Eu sabia que ela não poderia ser uma farsa humana. Ela era a palavra de Deus. Então eu fui para as Suas palavras para procurar as minhas respostas.

E aqui está o que eu encontrei: Deus não me fez gay …. mas Ele permitiu isto. Poderia ter parado? Absolutamente, mas não o fez. Por quê? Deus permitiu que um monte de coisas que não eram boas acontecessem, desde o princípio dos tempos. Ele permitiu o mal. Ele permitiu o pecado. Ele permitiu o assassinato. Ele permitiu estupro. Ele permitiu desejos homossexuais ….. e todos eles são parte de Seu  plano maior. Entenda isso, os piores pecados foram cometidos contra o próprio Deus, Jesus Cristo, quando Ele foi espancado e crucificado em uma cruz. Ele permitiu isso. Mais uma vez, por quê? … Porque era tudo parte do Sseu plano maior. E qual é este plano de Deus, você pode perguntar? Trazer glória ao Seu Nome. Você pode pensar que soa egoísta da parte de Deus. Mas, olhe desta forma:

  • Deus morreu pelos seus pecados, para trazer glória ao Seu Nome.
  • Deus perdoa os seus pecados, para trazer glória ao Seu Nome.
  • Deus Se oferece a você, para trazer glória ao Seu Nome. 
  • Deus produz alegria em seu coração, para trazer glória ao Seu Nome. 
  • Deus opera todas as coisas para o bem de seus filhos, para trazer glória ao Seu Nome. 

Você vê isso? Deus glorifica a Si mesmo ao demonstrar sua bondade para conosco. Isto me impressionou. Podemos não ser sempre capazes de ver como Deus está usando uma determinada situação, como eu ter sentimentos homossexuais, para trabalhar para o nosso bem … mas podemos confiar que Ele está. Porque mais e mais e mais e mais e mais uma vez ele provou ser um guardião de suas promessas. Tudo o que Ele nos pede para fazer é confiar Nele. Eu posso dizer isso, porém … se não fosse por meus sentimentos homossexuais, eu não sei se eu jamais teria me visto como quebrado como a Bíblia diz que eu sou. Por isso eu nunca teria visto a minha necessidade de Cristo, e eu nunca teria experimentado a alegria de conhecê-Lo. Deus usou a minha luta com, e eventual indulgência com a homossexualidade para chamar-me para Si. 

Caro garoto gay, se você já está “fora” ou ainda “no armário”, eu quero que você saiba que Deus não está lhe pedindo para ser algo que você não é. Ele não está pedindo para ser hetero. Ele não está pedindo para você ser bom. Ele não está pedindo para fingir ser qualquer coisa que você não é. Ele quer transformar você Ele mesmo. Ele está pedindo que você seja honesto consigo mesmo e com Ele, sobre o seu pecado, e confiar na obra de Seu Filho na Cruz. Ele quer que você veja o seu pecado, para confesse o seu pecado, e que confie em Jesus Cristo para o perdão dos seus pecados. Quando Jesus disse: “Está CONSUMADO!” Na cruz, Ele ganhou a sua retidão diante de Deus. Ele absorveu a sua culpa sobre Si e suportou a ira de Seu Pai tinha por seu pecado. A justiça foi feita, e se você só confiar e acreditar, você estará livre. 

Pessoas bem-intencionadas me disseram: “Seu pecado é como o meu pecado” ….. mas isso não é verdade. É radicalmente diferente. Pecado é pecado, com certeza, e as conseqüências eternas do pecado são as mesmas. Mas os efeitos nesta vida não são os mesmos. Você pode nunca ter ouvido “papo de igreja” antes, porque você sabia que eles não podiam entender. Mas acredite em mim quando eu digo ….. o seu pecado é como o meu pecado. Eu realmente entendo. Há multidões lá fora, assim como eu que entendem. Não se sinta sozinho nessa, porque você não está. Saiba que mesmo que ninguém em sua vida agora entenda, Deus entende, e Ele está com você. Ele vai fortalecê-lo se você confiar nEle. 

O principal objetivo de Deus não é fazer que você se torne heterossexual, mas para torná-lo santo. Eu coloquei o título: “Caro garoto gay”, porque eu sei que a palavra “gay” é o termo mais fácil de entender para dizer o que eu estou tentando dizer, em nossa cultura. Mas eu quero te dizer, a sua identidade não precisa ser encontrada em sua sexualidade. Sua identidade não deve ser encontrada em sua sexualidade. Todas as nossas sexualidades, gay ou hetero, são falidas … e quando nós confiamos em Jesus, nós não somos mais definidos por nossa falências mais. Você não tem que ser gay, mesmo que você lute com desejos para o mesmo sexo. As suas tentações não o definem. Jesus define você … e se você acredita em Deus, Ele diz que você é santo, inocente, puro e belo …. não importa com qual pecado você lute.

Deus quer que você O valorize mais do que qualquer outra coisa nesta vida … e isto pode incluir o seu desejo de um relacionamento romântico agora (se é um relacionamento do mesmo sexo que você deseja). Pode parecer que é muita coisa para desistir, mas eu posso dizer por experiência própria, uma vez que você realmente sente o amor de Deus … é um preço pequeno a pagar. Todas as pessoas neste mundo estão quebradas … e você não pode olhar para uma coisa quebrada e esperar que ela faça o vosso coração bom. Somente Aquele que fez seu coração pode verdadeiramente satisfazer o seu coração, e Ele está tentando chegar a você através desta carta para fazer exatamente isso. 

Jesus te ama,

Matt Moore
—————————————————————————————–

Este é Jamey Rodemeyer, um garto gay que cometeu suicídio ano passado. Independente de ter sido bullying, ódio próprio, ou medo que o motivou a fazer isto, o que eu sei é que o evangelho de Jesus Cristo é o antídoto. Todos que lerem isto, por favor, por favor continue compartilhando Jesus…. com as crianças também. Neste mundo, eles precisam dEle desesperadamente, mais cedo ao invés de tarde.

Maioria dos filhos de ateus mudam de ideia quando adultos

Pessoas que crescem em um lar ateu são menos propensos a manter as suas crenças sobre a religião quando adultos, indica um estudo realizado pelo Centro de Pesquisa Aplicada do Apostolado, da Universidade de Georgetown.

Apenas cerca de 30% das pessoas que foram criadas em um lar ateu continuaram sendo ateus depois de adultos. Esta “taxa de retenção” é a menor entre as 20 diferentes categorias do estudo.

Foram ouvidos 1.387 ateus na pesquisa. Quatrocentos e trinta e dois entrevistados disseram ter sido criados por pais ateus. Desses, apenas 131 se identifica como ateu hoje.

“Os resultados mostram que os ateus americanos, em sua maioria, se “tornou” incrédulo quando adulto, mesmo tendo sido criado em outra fé. Parece ser muito mais desafiador criar uma criança ateia e fazê-la manter essa identidade por toda a sua vida “, explica o Dr. Mark Gray , um dos pesquisadores .

Gray também observou que, “entre os que foram criados como ateus, hoje 30% estão filiados a uma denominação protestante, 10% são católicos, 2% são judeus, 1% são mórmons, e 1% são pagãos”.

Os Hindus tiveram a maior taxa de retenção de 84%, seguido pelos judeus (76%), muçulmanos (76%), ortodoxos  gregos (73%), mórmons (70%) e católicos (68%).

Entre os cristãos protestantes, os Batistas teve a maior taxa de retenção (60%), seguido por Luteranos (59%) e pentecostais (50%).

Testemunha de Jeová (37%), membros da Igreja Congregacional (37%) e da Igreja Holiness (32%), tem as menores taxas de retenção.  Entre aqueles que cresceram sem uma fé religiosa ou sistema de crenças em particular, 38% permaneceram dessa forma.

O estudo utilizou como base os dados do Fórum Pew sobre Religião e Vida Pública dos EUA de 2008.

Fonte: gospelprime.com.br